Réu por feminicídio raspou o cabelo e ganhou peso para não ser reconhecido, revela promotor em entrevista à TV Pajuçara.


O crime hediondo que chocou o estado de Alagoas e repercutiu em todo o Brasil completa mais um capítulo nesta semana. Leandro Pinheiro Barros, acusado pelo feminicídio da jovem Mônica Gomes Cavalcante Alves, de apenas 26 anos, está foragido desde junho de 2023, quando cometeu o atroz assassinato em São José da Tapera.

Segundo informações reveladas pelo promotor Fábio Bastos Nunes em entrevista à TV Pajuçara, Leandro teria adotado medidas extremas para não ser reconhecido pela população e, consequentemente, escapar da prisão. Ele raspou o cabelo e teria ganhado peso, além de mudar aspectos físicos como usar óculos e barba, desde o ano passado.

O magistrado destacou que o réu contava com a ajuda do próprio pai para se manter escondido, porém, o patriarca foi denunciado pelo Ministério Público de Alagoas nesta sexta-feira, supostamente envolvido no assassinato do sobrinho. A prisão do pai de Leandro representa um grande golpe na estratégia montada pelo acusado para se esquivar da justiça.

A morte de Mônica Gomes causou comoção e revolta na sociedade alagoana, não apenas pela brutalidade do crime cometido em um local público, mas também pelos relatos de abusos feitos pela vítima em um vídeo divulgado na internet momentos antes de ser morta. O feminicídio ocorreu após uma discussão entre o casal em uma festa, quando Leandro retornou para casa, pegou uma arma de fogo e assassinou covardemente a jovem em via pública.

Além de ser indiciado pela Polícia Civil, Leandro já foi denunciado pelo Ministério Público de Alagoas e teve prisão preventiva decretada pelo juiz Leandro Folly, titular da Comarca de São José da Tapera. A busca pelo réu continua intensa, com a esperança de que a justiça seja feita em nome de Mônica e de todas as mulheres vítimas de feminicídio.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo