Tensões geopolíticas e declarações do Fed impulsionam contrato de petróleo para US$ 90,00, maior valor desde outubro.


Os contratos futuros de petróleo encerraram o dia em alta, com o Brent voltando a ultrapassar a marca dos US$ 90 pela primeira vez desde outubro. O mercado de commodities viu uma aceleração nos ganhos no final da sessão, revertendo uma leve queda anterior. Essa recuperação foi impulsionada pelo aumento das tensões geopolíticas, incluindo os preparativos de Israel para uma possível retaliação do Irã e os comentários dos dirigentes do Federal Reserve (Fed), que reforçaram a cautela em relação a cortes nas taxas de juros.

O presidente Joe Biden fez um pedido ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para um cessar-fogo imediato em Gaza. Ele também ressaltou que o apoio dos Estados Unidos ao conflito dependerá de medidas adicionais para proteger civis e trabalhadores humanitários na região. Enquanto isso, o WTI para maio fechou com alta de 1,36%, atingindo US$ 86,59 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). Já o Brent para junho avançou 1,45%, chegando a US$ 90,65 o barril, na Intercontinental Exchange.

Em Israel, houve relatos de sinais de GPS embaralhados por militares, em meio às preparações para possíveis retaliações do Irã. O país está em alerta desde um suposto ataque aéreo israelense contra um prédio diplomático iraniano na Síria. Além disso, recentes assassinatos de trabalhadores humanitários em Gaza geraram críticas globais sobre a conduta de Israel na guerra.

A alta no preço do petróleo coincidiu com a suavização da queda do dólar, após comentários de dirigentes do Fed. O presidente da distrital de Minneapolis, Neel Kashkari, mostrou apoio a possíveis cortes de juros neste ano, indo contra as expectativas do mercado. Ele destacou a possibilidade de redução das taxas caso a inflação se mantenha nos níveis atuais.

O mercado de petróleo segue volátil, influenciado por questões geopolíticas e decisões de políticas monetárias. A situação no Oriente Médio e as perspectivas econômicas continuam a ser determinantes para os preços da commodity.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo