Serviço de Atenção Domiciliar promove capacitação para profissionais da Atenção Primária


Profissionais do SAD fizeram uma explanação sobre o programa com o intuito de promover a integração das equipes de saúde

A Coordenação Geral do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) da Secretaria Municipal de Saúde se reuniu na manhã desta segunda-feira (6), no auditório do órgão, com profissionais da Atenção Básica e do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (Nasf). Na ocasião, foram apresentadas as atribuições do Programa Melhor em Casa – executado pelo SAD – com o objetivo de integrar as áreas de assistência visando prestar um melhor serviço aos usuários do SUS.

Capacitação SAD, Atenção Primária e Nasf. Foto: Victor Vercant/SMS

De acordo com Dulce Denyse de Araújo, coordenadora geral do SAD, o serviço atende a todos os bairros de Maceió e também conta com uma equipe que atua no Hospital Geral do Estado. “Nossa grande missão é trazer o paciente que se encontra acamado em hospitais para suas residências para que nossa equipe possa cuidar dele. A desospitalização é o objetivo primordial do serviço, pois em casa ele terá os mesmos cuidados que teriam no hospital, mas conta com a vantagem de um tratamento mais próximo de seus familiares, o que ajuda na recuperação”, explica.

Dulce Denyse de Araújo, coordenadora geral do SAD. Foto: Victor Vercant/SMS

“A importância desse momento é justamente fazer com que as redes de Atenção à Saúde conheçam nossos serviços para que eles saibam como direcionar um paciente acamado para o Serviço de Atendimento Domiciliar, com base nos critérios de atendimento e protocolos que nós temos”, completa Dulce Denyse de Araújo, coordenadora geral do SAD.

O serviço conta com três modalidades de paciente elegíveis para atendimento, que são os crônicos estáveis, que são encaminhados para a Atenção Primária; os crônicos agudos (cardiopatas, que utilizam ventilação mecânica, demência avançada, usuários de sondas, reabilitação motora e respiratória pós sequelas de Covid e cuidados paliativos, por exemplo), que são público-alvo do SAD e os de alta complexidade crônicos e progressivos que requerem muitos membros da equipe do SAD e equipamentos para sua atenção.

A coordenadora da equipe de enfermagem do SAD, Iara Francisca Coloia, fala sobre a importância da integração desses serviços. “A Atenção Domiciliar trabalhando junto com o Nasf e a Atenção Básica ajuda a dar celeridade ao tratamento dos pacientes, fazendo com que as famílias dos pacientes se sintam mais assistidas”.

Coordenadora da equipe de enfermagem do SAD, Iara Francisca Coloia. Foto: Victor Vercant/SMS

Atenção na rede hospitalar

Durante a capacitação, os profissionais da Atenção Básica e do Nasf também conheceram como funciona a equipe do SAD que atua junto ao Hospital Geral do Estado. Segundo Sabel Amorim, assistente social e coordenadora da equipe do SAD no HGE fala sobre a atuação do serviço no local.

“Quando os hospitais fazem as indicações de altas do hospital, a equipe do SAD no HGE vai até a unidade que fez a sinalização para proceder com a triagem e encaminhamentos que se fizerem necessários para que ele possa ser atendido em casa. Nossas equipes já fizeram um trabalho de informar as demais unidades hospitalares que o município dispõe de uma referência para o cuidado desses pacientes após a desospitalização, até que ele evolua para um quadro de saúde mais estável”, destaca.

Sabel Amorim, assistente social e coordenadora da equipe do SAD no HGE. Foto: Victor Vercant/SMS

Ao todo, 16 profissionais do Serviço de Atendimento Domiciliar fazem parte do HGE e atuam em 13 hospitais do Estado, tais como o Hospital da Mulher, Hospital Metropolitano, Hospital Médico Cirúrgico, Hospital Hélvio Auto, Santa Casa de Misericórdia de Maceió, Hospital Sanatório, Hospital Veredas, Hospital Universitário, Hospital Alvorada, Hospital Vida, Hospital Carvalho Beltrão (Coruripe), Hospital Chama (Arapiraca) e Hospital Regional da Mata (União dos Palmares).

Sobre o programa

O SAD conta com uma equipe composta por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, técnicos de enfermagem e uma equipe de apoio que conta com nutricionistas, psicólogos, assistente social, terapeuta ocupacional e odontólogos, que é acionada dependendo da necessidade do paciente. Os usuários têm acesso ao serviço por meio da Atenção Básica, internações hospitalares, demanda espontânea, processos judiciais e oriundos dos Cacons (Centros de Oncologia).

Atuando em 37 municípios alagoanos, o Serviço de Atendimento Domiciliar busca reduzir o número de internações hospitalares, diminuindo os riscos de infecções hospitalares para esse paciente e visando a humanização do cuidado qualificado na rede de Atenção à Saúde.

Ana Cecília da Silva – Ascom/SMS

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo