Sepultado o corpo da menina carbonizada em Delmiro Gouveia. Tragédia impactante choca a comunidade. Justiça deve ser feita.

O corpo da menina de 4 anos, que morreu carbonizada em Delmiro Gouveia, no Sertão de Alagoas, foi sepultado nesse domingo (27). O sepultamento foi feito sem identificação oficial, após determinação judicial. O Instituto Médico Legal (IML) ainda aguarda a coleta de material genético dos pais da criança para realizar a comparação genética.

O trágico evento ocorreu na sexta-feira (25), quando Ana Lívia estava sozinha em casa e um incêndio começou, resultando na sua morte. Vizinhos relataram o desespero da situação, enquanto a menina lutava para escapar das chamas. A perícia foi realizada no local pelo Corpo de Bombeiros e espera-se que os resultados estejam prontos em até 30 dias.

No entanto, devido à gravidade da queimadura no corpo de Ana Lívia, é imprescindível a comparação genética através do exame de DNA. O IML coletou o material genético do corpo da vítima, porém, até o momento, os pais da criança não compareceram ao instituto para realizar o exame. Essa análise é crucial para confirmar a identidade da menina e esclarecer quaisquer dúvidas relacionadas à sua morte.

A falta de comparecimento dos pais ao IML tem levantado questionamentos e preocupações. A coleta do material genético visa proporcionar uma resposta concreta e se configura como uma etapa importante para a resolução desse triste caso. Enquanto isso, a comunidade local permanece em luto e chocada com a perda precoce de uma vida infantil.

No último domingo (27), o Cemitério Adonias Queiroz Mafra recebeu o corpo de Ana Lívia para o sepultamento. A ausência de identificação oficial durante o funeral foi determinada judicialmente. Um sentimento de tristeza e comoção tomou conta do local, onde amigos e familiares prestaram suas últimas homenagens à menina.

A investigação desse trágico incêndio continua em andamento, e espera-se que todas as provas e análises forenses possam esclarecer as circunstâncias desse terrível acontecimento. Enquanto isso, a sociedade aguarda com angústia por respostas sobre o que levou à morte dessa pequena criança e espera-se que a justiça seja feita.

É importante ressaltar que o corpo carbonizado de Ana Lívia representa uma dor profunda para todos aqueles que acompanham essa triste história, reforçando a necessidade de prevenção de acidentes domésticos e a proteção das nossas crianças. A comunidade local está unida em solidariedade à família da vítima e espera-se que esse caso trágico possa servir como um alerta para conscientizar sobre a importância da segurança em nossos lares.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo