Senador Irajá denuncia cláusula de barreira que impede convocação de aprovados em concurso da PM do Tocantins


O senador Irajá do PSD-TO fez um pronunciamento na última terça-feira (25), revelando que recebeu um pedido de ajuda da Comissão dos Aprovados no Concurso de 2021 da Polícia Militar do Tocantins. O pedido era para quebrar a cláusula de barreira que impede a convocação de mais de 500 aprovados no certame. O parlamentar ressaltou que é necessária uma nova lei para permitir o avanço no concurso e destacou que o texto já está pronto, além de contar com o parecer favorável da Procuradoria-Geral do estado.

Irajá apontou que a questão está nas mãos do governador Wanderlei Barbosa, que precisa encaminhar a lei à Assembleia Legislativa. No entanto, até o momento, o governador não tomou tal iniciativa, mesmo sendo conhecedor da situação e prometendo em diversas ocasiões que iria resolver o problema.

A situação, segundo o senador, é injusta não apenas para os aprovados no concurso, mas também para suas famílias, que aguardam com esperança o avanço do processo seletivo. Além disso, a falta de efetivo na Polícia Militar do Tocantins afeta diretamente a segurança do estado e, por consequência, impacta os cidadãos tocantinenses.

Irajá defendeu que derrubar a cláusula de barreira e prosseguir com o concurso é a forma mais econômica, responsável e rápida de garantir os direitos dos concursados.

Durante seu pronunciamento, o parlamentar também levantou suspeitas de corrupção na compra de seringas e na distribuição de cestas básicas pelo governo do Tocantins. Além disso, ele apontou a escassez de leitos e a negligência no atendimento em hospitais, assim como as condições precárias das estradas do estado, que resultam em prejuízos e mortes.

É importante ressaltar que a reprodução desta notícia é autorizada mediante a citação da Agência Senado. Fica claro, portanto, que as informações divulgadas aqui são baseadas em informações oficiais e confirmadas pela fonte mencionada.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo