SAÚDE – Voluntária do Instituto do Câncer Infantil em Porto Alegre busca pacientes com dificuldades para acesso à quimioterapia após enchentes no RS.


A técnica de nutrição Luciana Lombardi, de 50 anos, que antes passava os finais de semana se dedicando à recreação com crianças em tratamento de câncer, viu sua rotina se transformar após as enchentes que afetaram o Rio Grande do Sul. Agora, ela se encontra em busca de pequenos pacientes que estão enfrentando dificuldades para chegar às sessões de quimioterapia.

Luciana é uma das voluntárias do Instituto do Câncer Infantil em Porto Alegre e tem utilizado seu próprio carro para visitar as famílias e oferecer auxílio no transporte, garantindo que o tratamento seja mantido sem interrupções. “As crianças e suas famílias já passam por momentos tão delicados… Não queremos que nada deixe elas mais preocupadas nem com medo. Ao contrário, o amor e a coragem sempre tomam conta dos nossos momentos”, emocionou-se a voluntária.

A instituição, uma entidade filantrópica sem fins lucrativos, atende atualmente mais de 500 crianças de 153 municípios do Rio Grande do Sul. A equipe do instituto tem buscado contato com as famílias afetadas pelas enchentes, visando suprir as necessidades de cada uma para garantir que nenhum serviço seja interrompido.

Até o momento, 278 famílias foram contatadas, mas ainda não temos dados sobre aquelas que não conseguiram retornar para o tratamento devido a problemas decorrentes das chuvas. Três crianças permanecem na sede do instituto por não terem condições de voltar para suas cidades após a tragédia.

Além de oferecer suporte psicológico e social, a instituição também disponibiliza abrigo durante o dia, com alimentação e espaço para banho, para os pacientes e seus familiares. Valéria Foletto, gerente institucional, ressalta que o Instituto do Câncer Infantil está realizando o transporte dos pacientes que necessitam se deslocar para os hospitais para os tratamentos.

Diante da situação de calamidade causada pelas enchentes no Rio Grande do Sul, a solidariedade de profissionais como Luciana Lombardi e de instituições como o Instituto do Câncer Infantil se mostra fundamental para garantir que as crianças em tratamento recebam o suporte necessário para superar esse momento tão difícil.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo