SAÚDE – Inca e OPAS firmam compromisso para eliminar câncer de colo do útero e ampliar cobertura vacinal contra o HPV

O Instituto Nacional de Câncer (Inca), em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e outras 17 organizações não governamentais e sociedades científicas brasileiras, assinaram uma carta de compromisso para reforçar as ações de eliminação do câncer de colo do útero e ampliar as coberturas vacinais contra o papilomavírus (HPV).

O compromisso assumido inclui o apoio ao Ministério da Saúde, ao Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) e ao Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde (Conasems), para implementar ações que reforcem o Programa Nacional de Imunizações (PNI) e a Estratégia Nacional de Eliminação do Câncer de Colo do Útero. Além disso, há um compromisso em divulgar informações sobre a vacina contra o HPV, desenvolver estratégias para combater notícias falsas sobre vacinação e oferecer formação continuada aos gestores e profissionais de saúde sobre a importância da cobertura vacinal.

Assinando a carta, as organizações também se comprometem com a promoção de estratégias territoriais para garantir serviços aos adolescentes e populações vulneráveis em relação ao HPV, o fortalecimento do rastreamento e do atendimento ao câncer de colo do útero, e a implementação de ações específicas em populações vulneráveis.

O diretor-geral do Inca, Roberto Gil, ressaltou a importância da carta, afirmando que todos os participantes do seminário estão comprometidos com a eliminação do câncer do colo do útero. Ele ainda destacou que uma doença prevenível não pode continuar matando pessoas no Brasil.

Especialistas consideram a vacinação contra o HPV como uma das estratégias mais eficazes e com melhor custo-benefício para evitar o desenvolvimento do câncer de colo do útero, bem como de outros tipos de câncer associados ao vírus. A vacina é disponibilizada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil para meninas e meninos de 9 a 14 anos, com a administração de duas doses. Mulheres e homens de 15 a 45 anos com condições de saúde específicas também podem se vacinar.

Durante o evento “Vacina e Prevenção do Câncer: Vários Olhares, Muitos Desafios”, realizado no INCA no Rio de Janeiro, foi discutida a expansão do acesso às ações de prevenção, rastreamento, diagnóstico e tratamento do câncer de colo do útero. A cerimônia de iluminação do Cristo Redentor em cor roxa também foi realizada para alertar a população sobre os tipos de câncer causados pelo papilomavírus e estimular a vacinação contra HPV.

A estratégia global da OMS para eliminar o câncer de colo do útero, baseada na vacinação, rastreamento e tratamento, foi lançada em 2020. 194 países, incluindo o Brasil, se comprometeram a alcançar metas como vacinar 90% das meninas contra o HPV, realizar o rastreamento de 70% das mulheres, e tratar 90% das mulheres com lesões pré-cancerosas até 2030.

O Ministério da Saúde lançou em março deste ano a Estratégia Nacional de Eliminação do Câncer do Colo de Útero para ampliar o programa Útero é Vida, que é uma parceria da Secretaria de Estado de Saúde de Pernambuco com a OPAS. O Brasil, com o compromisso dessas organizações e entidades, busca fortalecer as ações de prevenção e vacinação, visando a eliminação do câncer de colo do útero e a melhoria da saúde pública do país.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo