SAÚDE – Brasil controla número de mortes na epidemia de dengue, destaca Opas em evento sobre arboviroses


A saúde pública no Brasil enfrenta desafios constantes, e um dos mais preocupantes são as doenças transmitidas por arbovírus, como a dengue. Em um evento promovido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), foi destacado que o país tem conseguido controlar o número de mortes decorrentes da atual epidemia da doença. Mesmo com um aumento significativo no número de casos em relação ao ano passado, a redução proporcional no registro de óbitos é um ponto positivo a ser destacado.

O especialista em arboviroses da Opas no Brasil, Carlos Melo, ressaltou a importância de não apenas observar a transmissão e o número de casos, mas também de focar nos óbitos como objetivo central no controle de uma epidemia. Ele participou de um seminário realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Rio de Janeiro, onde afirmou que a redução no número de mortes está relacionada às ações coordenadas pelo Ministério da Saúde, como a vacinação direcionada e a assistência aos pacientes.

O Brasil já registrou mais de 3 milhões de casos prováveis de dengue nas primeiras semanas de 2024, com um aumento expressivo em relação ao ano anterior. No entanto, apesar do aumento nos casos, houve uma redução na letalidade da doença, o que demonstra a eficácia das medidas adotadas até o momento. Nove estados brasileiros apresentam tendência de queda nos casos, enquanto treze estão estáveis e cinco têm tendência de alta.

Para combater a epidemia de dengue, Carlos Melo ressalta a importância de atuar em várias frentes, incluindo a vacinação, tecnologias científicas como os mosquitos contaminados com a bactéria Wolbachia e ações que combatam os determinantes sociais da doença, como a falta de saneamento básico e a urbanização descontrolada.

A vacinação é apontada como uma estratégia importante no enfrentamento da doença, porém, a coordenadora-geral de Vigilância de Arboviroses do Ministério da Saúde, Livia Vinhal, destaca a necessidade de uma vacina de dose única para otimizar os resultados. Atualmente, o Brasil utiliza a vacina Qdenga, produzida pelo laboratório japonês Takeda, que requer duas doses para imunização.

Com a expectativa de aumento na oferta da vacina e a implementação de estratégias integradas, como a vacinação e as ações de controle dos vetores, espera-se uma melhora significativa no cenário atual da epidemia de dengue no Brasil. A prevenção e o combate eficaz à doença são fundamentais para proteger a população e melhorar a saúde pública no país.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo