SAÚDE – Aumento de casos de SRAG em todo o país preocupa autoridades de saúde, com destaque para a cocirculação de covid-19 e influenza.


O boletim Infogripe, divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) nesta quinta-feira (7), trouxe dados preocupantes sobre o aumento do número de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em todo o país. De acordo com o relatório, todas as regiões do Brasil apresentam crescimento nos novos casos semanais de SRAG, com destaque para a prevalência da covid-19 no Centro-Sul.

Além da covid-19, as regiões Sudeste e Sul também registram casos de influenza, o vírus da gripe, indicando uma cocirculação viral nessas áreas. No Nordeste e no Norte, a influenza também apresenta aumento, especialmente entre a população adulta. Outro ponto de atenção são os casos de vírus sincicial respiratório (VSR), que voltaram a aparecer em diversos estados, afetando principalmente crianças pequenas e idosos.

Segundo Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, o aumento do VSR é preocupante, pois pode acarretar em complicações graves, especialmente em crianças menores de 2 anos e idosos. O especialista ressaltou a importância da vacinação contra a covid-19 e a gripe, bem como o uso de máscaras de qualidade, como as do tipo N95 e PFF2, para prevenir a propagação dos vírus respiratórios.

Gomes também destacou a necessidade de buscar atendimento médico ao apresentar sintomas de resfriado, principalmente para indivíduos que fazem parte dos grupos de risco. Nas últimas oito semanas, a incidência e mortalidade de SRAG mantiveram o padrão de maior impacto entre crianças pequenas e idosos, com a covid-19 se mostrando mais grave nessas faixas etárias.

Diante desse cenário preocupante, é fundamental que as medidas de prevenção e controle sejam reforçadas, a fim de conter a propagação desses vírus e proteger a população mais vulnerável. A colaboração de todos é essencial para enfrentar essa situação de forma eficaz e proteger a saúde de todos os brasileiros.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo