Putin afirma que paz com Ucrânia só será possível após desmilitarização e “desnazificação” do país vizinho, reiterando objetivos da ofensiva.


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez uma declaração nesta quinta-feira afirmando que a paz com a Ucrânia só será possível quando a Rússia alcançar seus objetivos de desmilitarizar e “desnazificar” o país vizinho. Esses são dois aspectos fundamentais da ofensiva iniciada pelo Kremlin em fevereiro de 2022.

Em sua rara declaração pública durante sua entrevista coletiva anual em Moscou, Putin reiterou que a paz só será alcançada quando os objetivos russos forem atingidos. Ele destacou a importância da desnazificação e desmilitarização da Ucrânia, além do status de neutralidade do país.

Quase dois anos após o início da ofensiva russa contra Kiev, Putin assegurou que as posições do Exército russo no país vizinho têm melhorado a cada dia. O presidente russo informou que as forças armadas russas têm melhorado suas posições em quase toda a linha de frente, em meio a um cenário de impasse no conflito.

A visita do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, aos Estados Unidos no início desta semana mostrou a tentativa do líder de garantir que o financiamento americano às forças armadas de seu país não seja cortado. A falta de avanços significativos na contraofensiva contra as tropas russas tem colocado em risco o apoio financeiro ocidental à Ucrânia.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, alertou para o “risco real” de que Vladimir Putin não limite sua agressão apenas à Ucrânia, caso alcance seus objetivos. A aliança ocidental continua preocupada com as futuras pretensões do presidente russo e mantém o apoio à Ucrânia.

Além da ajuda financeira e liberação de equipamento militar, os EUA e seus aliados impuseram embargos e sanções à economia russa. Putin afirmou que a Rússia tem capacidade de seguir em frente, citando a forte consolidação da sociedade russa, a estabilidade do sistema financeiro e econômico e o aumento das capacidades militares do país.

Segundo o presidente russo, a Rússia espera um crescimento do PIB de 3,5% para este ano, mas enfrenta preocupações com a previsão de inflação entre 7,5% e 8%. Putin negou ter planos para uma nova convocação de reservistas, destacando que 486 mil soldados foram recrutados voluntariamente.

Em meio a essa tensão contínua, a comunidade internacional permanece atenta ao desenrolar do conflito entre Rússia e Ucrânia, com preocupações crescentes sobre os impactos regionais e globais de um possível agravamento da situação.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo