Polícias Civis de cinco estados realizam segunda etapa da Operação Animes para reprimir crimes de pirataria na internet.


As Polícias Civis de cinco estados brasileiros uniram forças para combater crimes de violação de propriedade intelectual na internet. A segunda etapa da Operação Animes foi realizada nesta quinta-feira (25) pela Diretoria de Inteligência Policial (Dinpol) de Alagoas, Ceará, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo.

O foco da ação conjunta foi a repressão de crimes envolvendo animações japonesas, popularmente conhecidas como “Animes” e “Webtoon”. Durante a operação, foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão, resultando em uma prisão em flagrante. Dois sites foram bloqueados e/ou suspensos, e conteúdos ilegais foram desindexados dos mecanismos de busca.

Os materiais apreendidos incluem equipamentos como HDs internos e dispositivos informáticos que podem servir como prova material dos crimes. A Operação Animes está sendo coordenada pela Diretoria de Operações Integradas e de Inteligência (Diopi), por meio do Laboratório de Operações Cibernéticas (Ciberlab), do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).

Similar à “Operação 404”, que visa combater a pirataria online, a Operação Animes conta com a cooperação da Content Overseas Distribution Association (Coda) do Japão e da Copyright Overseas Promotion Association (COA) da Coreia do Sul. Essas associações multilaterais reúnem ministérios, órgãos governamentais e empresas detentoras de direitos autorais.

No Brasil, a violação de propriedade intelectual é passível de penalidades que incluem reclusão de dois a quatro anos, além de multa, conforme o art. 184, §3º do Código Penal Brasileiro. Os envolvidos também podem responder por associação criminosa (art. 288 – CP) e lavagem de capitais (art. 1º – Lei 9.613/1998).

Essas operações demonstram a união de esforços das autoridades brasileiras e internacionais para combater crimes cibernéticos e proteger os direitos autorais. Ações como a Operação Animes são essenciais para garantir a segurança online e a proteção da propriedade intelectual em um mundo cada vez mais digitalizado.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo