Petrobras e Mubadala intensificam negociações para parceria na Refinaria Landulpho Alves – Mataripe e ampliação de biocombustíveis no Brasil

A Petrobras e o fundo soberano de Abu Dhabi, Mubadala Investment Company, estão em negociações avançadas para intensificar sua parceria na operação da Refinaria Landulpho Alves – Mataripe e para expandir o negócio de biocombustíveis no Brasil. O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, revelou a informação em uma postagem nas redes sociais após se encontrar com o presidente executivo do Mubadala, Waleed Al Mokarrab Al Muhairi, em Abu Dhabi.

Nas palavras de Prates, “acabo de sair de reunião com o Deputy Group, Chief Executive Officer de Mubadala Investment Company e presidente do Conselho da Mubadala Capital, Waleed Al Mokarrab Al Muhairi com quem viemos conversando desde o início do ano passado sobre os investimentos do Fundo Mubadala no Brasil, e com cuja equipe gerencial e técnica temos trabalhando há meses para construir uma parceria que visa recuperar a operação da Refinaria Landulpho Alves – Mataripe (RLAM), na Bahia, ao mesmo tempo em que ampliaremos e aprimoraremos juntos o empreendimento de biocombustíveis do grupo no Brasil”.

Prates também revelou que as negociações serão retomadas nos próximos dias, com a equipe da estatal intensificando os trabalhos após o retorno do feriado de carnaval. O objetivo é finalizar a nova configuração societária e operacional ainda no primeiro semestre de 2024, mantendo segredo sobre detalhes e andamentos atuais até a finalização do processo.

A refinaria foi vendida pela Petrobras em novembro de 2021, durante o governo de Jair Bolsonaro, para o Mubadala por US$ 1,65 bilhão, um valor considerado abaixo do esperado por especialistas do setor. A operação foi criticada pelo governo do presidente Lula e pela atual gestão da estatal, que chegou a considerar a recompra da refinaria, mas posteriormente descartou a possibilidade.

No entanto, a possibilidade de uma parceria para atuar no downstream no Brasil, em refino e biorefino, a partir de óleo vegetal oriundo de culturas nativas, está sendo avaliada pela Petrobras. O presidente Prates afirmou que a venda da refinaria está sob avaliação da estatal, em diálogo com os órgãos de controle, com um procedimento administrativo instaurado para avaliação do negócio, sob apreciação das áreas de integridade pertinentes da companhia.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo