Novo apagão na Grande Fortaleza ocorre por falha da subestação, afirma Eletrobras.

Na madrugada deste sábado, moradores de pelo menos 44 cidades da Região Metropolitana de Fortaleza, no Ceará, enfrentaram mais um apagão, apenas três dias após a queda de energia que afetou diversos estados do país. O desabastecimento de energia trouxe transtornos para a população, como a pane em sinais de trânsito e na iluminação pública, dificultando ainda mais a mobilidade na região.

O novo apagão teve início por volta das 4h30 e causou revolta e indignação nos moradores. As redes sociais foram inundadas com reclamações sobre a falta de luz. Uma moradora de Fortaleza escreveu no Twitter: “Novamente sem luz”, enquanto outro usuário relatou ter acordado com o calor por causa da interrupção do ventilador.

A empresa responsável pelo fornecimento de energia na região, Enel Distribuição Ceará, informou que o desligamento ocorreu após um “desarme na linha da empresa transmissora que atende o Ceará”. A interrupção afetou clientes nas regiões Metropolitana e Fortaleza durante a madrugada. A Enel trabalha em conjunto com a Chesf, subsidiária da Eletrobras, para investigar os eventos que levaram ao apagão.

Segundo a Enel, a energia foi restabelecida de forma gradativa em pouco mais de uma hora, até 5h57 da manhã. No entanto, ainda se verificavam relatos de moradores da Grande Fortaleza sobre intermitência na energia durante a manhã.

Já a Eletrobras afirmou que o desligamento teve origem em defeito na subestação Pici II, que é compartilhada entre a Chesf e a Enel Ceará. A empresa esclareceu que o problema ocorreu no setor de 69 kV, de responsabilidade da Enel Ceará.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou que não há relação entre o apagão deste sábado e o evento ocorrido em 15 de agosto. Em nota, o ONS esclareceu que o desligamento da Subestação Pici II interrompeu 198 MW das cargas da região Metropolitana de Fortaleza e que o restabelecimento completo ocorreu às 5h57.

Este último apagão evidencia a fragilidade do sistema elétrico no país e a necessidade de investimentos e melhoria na infraestrutura. A população fica à mercê da falta de energia, sofrendo com transtornos e impactos em setores como trânsito e iluminação pública. É fundamental que as empresas responsáveis pelo fornecimento de energia realizem uma investigação minuciosa para identificar as causas dessas interrupções e adotem medidas para evitar novos apagões no futuro.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo