MUNICIPIOS – Brasil apresenta resultados estáveis no Pisa 2022 em matemática, leitura e ciências em coletiva de imprensa do MEC e Inep.

Os resultados do Brasil no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) 2022 foram divulgados nesta terça-feira, 5 de dezembro, pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O programa é um estudo comparativo internacional que avalia os conhecimentos e habilidades em matemática, leitura e ciências de estudantes de 15 anos, a faixa etária em que se pressupõe o término da escolaridade básica obrigatória na maioria dos países.

Realizado a cada três anos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a edição de 2022 contou com a participação de 81 países, avaliando 10.798 estudantes de 599 escolas das redes pública e privada. Os resultados brasileiros mostraram poucas alterações em relação a 2018, com médias praticamente iguais em matemática, leitura e ciências. Desde 2009, os resultados se mantêm estáveis, com pequenas flutuações que, em sua maioria, não são significativas.

Apesar de a média da OCDE nessa edição do estudo ser a menor de toda a série histórica, os estudantes brasileiros obtiveram pontuações inferiores nas três disciplinas. O Ministro da Educação, Camilo Santana, destacou os esforços dos governos estaduais para minimizar os impactos da pandemia na educação e ressaltou a importância da articulação entre União, estados e municípios na construção de políticas de melhoria na educação básica.

Clara Machado, coordenadora-geral do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), chamou a atenção para a grande proporção de estudantes com baixo desempenho, enquanto poucos apresentaram alto desempenho. Entretanto, ela ressaltou que essa situação não é exclusiva do Brasil, pois a proporção de estudantes com alta performance também é baixa nos países da OCDE.

Em relação ao desempenho específico em matemática, o estudo mostrou que 73% dos estudantes brasileiros registraram baixo desempenho nessa disciplina, enquanto apenas 1% atingiu alto desempenho. Já em leitura, 50% tiveram baixo desempenho, com 2% atingindo alto desempenho. Em ciências, 55% dos estudantes apresentaram baixo desempenho, com 1% alcançando alto desempenho.

Além disso, foram destacados fatores como a situação econômica e social das famílias, que podem influenciar nos resultados. Tanto o secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, quanto o diretor de Educação da OCDE, Andreas Schleicher, enfatizaram a importância do suporte aos professores e o envolvimento dos alunos e das famílias no ambiente escolar.

O MEC anunciou como medidas prioritárias a promoção da alfabetização na idade certa, a garantia da educação em tempo integral, a permanência do jovem na escola e a melhoria da formação inicial e continuada dos professores. Segundo o Ministro Camilo Santana, é necessário avançar significantemente para melhorar a qualidade dos resultados em toda a educação básica e, automaticamente, no Pisa.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo