Maceió inaugura primeiro hospital público da cidade, oferecendo serviços de alta complexidade e tecnologia de ponta


O Complexo Médico Hospital da Cidade, localizado em Maceió, tornou-se o primeiro hospital público da história da cidade e está previsto para entrar em pleno funcionamento no primeiro trimestre de 2024. Este é um marco para a capital alagoana, que era a única cidade do Nordeste a não ter um hospital público deste porte. Com um investimento de R$ 266 milhões, anunciado pelo prefeito JHC no final do mês passado, o complexo se destaca como o melhor e mais moderno serviço de saúde da região, oferecendo tecnologia de ponta, infraestrutura de qualidade e conforto tanto para os pacientes quanto para seus acompanhantes.

O Complexo Médico Hospital da Cidade contará com diversas unidades, como o Hospital do Coração, a Casa do Coraçã e a Casa do Coraçãzinho, além do próprio Hospital da Cidade, que terá atendimento em áreas como maternidade e neonatal, oncologia, cirurgia geral e exames. Vale ressaltar que a gestão do hospital será feita pelo renomado Hospital Albert Einstein, um dos principais centros médicos da América Latina.

Com capacidade para 220 leitos, o complexo englobará diversas especialidades médicas, desde nefrologia e neurologia até cardiologia e pediatria. O Hospital da Cidade se destacará por oferecer procedimentos de alta complexidade, como angioplastia coronária, cateterismo, embolização pulmonar e cardiopediatria. A expectativa é que sejam realizados cerca de 20 mil atendimentos por mês, incluindo aproximadamente 10 mil cirurgias, 50 mil consultas médicas e 70 mil exames.

Dentre os pontos positivos desse novo empreendimento, destaca-se a incorporação do Hospital da Cidade à rede municipal, já completamente construído e equipado. A infraestrutura do hospital conta com salas de emergência, hemodinâmica, medicina nuclear, leitos de internação, centros cirúrgicos, leitos de UTI e semi-intensivo, UTI neonatal e modernos sistemas de última geração. Um dos destaques é a tomografia computadorizada Multi Slice, com 120 canais/detectores, proporcionando alta precisão nos diagnósticos.

O tratamento humanizado é um dos pilares do Complexo Médico Hospital da Cidade, permitindo a estadia de familiares durante toda a internação dos pacientes na Unidade de Terapia Intensiva. Esse acompanhamento presencial, além de ser benéfico para o paciente, também reduz a ansiedade da família. O Hospital da Cidade será inteiramente mantido pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Outro ponto relevante é o custo do projeto, que se mostra bastante competitivo se comparado a investimentos similares tanto na rede pública quanto na privada. O metro quadrado do Hospital da Cidade tem um custo de R$ 8,6, enquanto o Hospital Metropolitano do Agreste, em Arapiraca, possui um custo de obra superior, de R$ 8,8 mil por metro quadrado. Além disso, os preços da negociação entre a prefeitura e unidades particulares também mostram um valor abaixo do praticado no mercado, como é o caso do Memorial Arthur Ramos (Hmar), que teve um custo de R$ 18.600 por metro quadrado.

Comparando os custos por leito, o Hospital da Cidade se destaca como mais eficiente. Enquanto o Hospital da Unimed possui um valor de R$ 1.5 milhão por leito, considerando os preços atuais, o Hospital da Cidade fica em R$ 1.2 milhão. Além disso, a nova unidade não sofrerá com embargos e atrasos, estando pronta para entrar em funcionamento já no próximo ano.

Com todas essas características, o Hospital da Cidade se torna uma aquisição de grande relevância para a cidade de Maceió. Por outro lado, outros projetos semelhantes, como o novo Hospital da Unimed, com previsão de entrega para 2025, e o Hospital Metropolitano do Agreste, ainda em fase de terraplanagem, mostram a importância e o valor do investimento realizado pela prefeitura na construção do Complexo Médico Hospital da Cidade.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo