JUSTIÇA – Condenado pela morte da filha, Alexandre Nardoni é solto após progressão de regime para o aberto.


Alexandre Nardoni, condenado à pena de 30 anos, 2 meses e 20 dias de reclusão pela morte da filha Isabela, de apenas 5 anos, foi libertado nesta segunda-feira após a Justiça conceder a ele a progressão para o regime aberto. A decisão causou polêmica e gerou debates sobre a justiça penal no Brasil.

Segundo informações da Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo, Nardoni deixou a Penitenciária II de Tremembé por volta das 17h20, logo após a expedição do alvará de soltura. O juiz responsável pelo caso, José Loureiro Sobrinho, justificou a decisão com base no bom comportamento de Nardoni na prisão e no cumprimento dos requisitos legais para a concessão do benefício.

O condenado, que estava preso em regime semiaberto, terá que cumprir algumas exigências em sua nova fase, como comparecer trimestralmente à Vara de Execuções Criminais, permanecer em casa durante o período noturno, e não frequentar bares ou casas de jogos. Nardoni foi condenado por homicídio qualificado mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, no caso, sua própria filha.

A morte de Isabela, em 2008, chocou o país e gerou grande repercussão na mídia. Sua madrasta, Ana Carolina Jatobá, também foi condenada a 26 anos e 8 meses de prisão pelo crime. A libertação de Nardoni levantou questionamentos sobre a eficácia do sistema prisional brasileiro e a forma como casos de grande comoção social são tratados perante a lei.

A sociedade aguarda com expectativa para ver como Alexandre Nardoni irá reintegrar-se à vida em liberdade e como lidará com as consequências de seus atos. A decisão judicial, controversa e sensível, abre espaço para reflexões sobre a justiça, o perdão e a possibilidade de ressocialização de condenados por crimes graves.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo