JUSTIÇA – Acordo entre MST e Incra resulta na desocupação de fazenda em Minas Gerais após promessas de regularização e assentamento.

Na última quarta-feira (20), o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) anunciou a saída das cerca de 500 famílias que ocuparam a fazenda Aroeira, localizada no município de Lagoa Santa, em Minas Gerais. O acordo para a desocupação foi firmado com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que se comprometeu a regularizar outros acampamentos no estado, como o Quilombo Campo Grande, em Campo do Meio, e o Acampamento Terra Prometida, em Felisburgo, além das áreas da Suzano, no Vale do Rio Doce.

Segundo informações divulgadas pelo MST, o Incra prometeu também providenciar um assentamento alternativo para as famílias desocupadas de Lagoa Santa. O movimento ressaltou que, apesar de concordar com a saída da área, continuará realizando ocupações de terra como forma legítima e democrática de luta pela reforma agrária em Minas Gerais e no Brasil.

Além disso, o Incra se comprometeu a entregar duas áreas públicas para o assentamento das famílias desalojadas em um prazo entre 30 a 60 dias. A ocupação da fazenda Aroeira teve início no dia 8 de março, quando o MST alegou que a propriedade de 250 hectares estava improdutiva e abandonada há sete anos, reivindicando sua desapropriação para a reforma agrária.

No entanto, no dia 10 de março, a Justiça de Minas Gerais indeferiu o pedido de reintegração de posse apresentado pelos supostos proprietários da fazenda. A decisão liminar destacou a falta de comprovação da posse do território pelos solicitantes, o que resultou na permanência temporária das famílias ocupantes.

Assim, o desfecho da ocupação da fazenda Aroeira em Lagoa Santa marca mais um capítulo na luta do MST e dos movimentos sociais pela redistribuição da terra e pela garantia de direitos aos trabalhadores rurais no Brasil. Este acontecimento reflete a persistência e resistência desses grupos em busca de justiça social e acesso à terra para fins produtivos.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo