Jovens são condenados por assassinato em Alagoas após aceitarem proposta para quitar dívida de tráfico de drogas

Um jovem foi condenado a 15 anos e quatro meses de prisão, em regime fechado, pela autoria intelectual de um crime de homicídio ocorrido no Sítio Pé de Serra, zona rural do município de Igaci, em Alagoas. A vítima, José Willams dos Santos, foi assassinada com seis tiros na frente de sua namorada, em 13 de novembro de 2021. O réu, identificado como José Luan de Santana Costa, havia emprestado dinheiro para dois jovens envolvidos com tráfico de drogas, e, para compensar parte da dívida, além de se sentirem ameaçados, eles aceitaram executar o crime.

Durante o julgamento, o promotor de Justiça Kleytionne Pereira Sousa atuou como acusação e descreveu em detalhes como o assassinato ocorreu. Segundo ele, a vítima possuía uma dívida por drogas com o réu, e os executores do crime, Jeferson da Silva Ferreira e um comparsa adolescente, também tinham dívidas com o acusado. Diante dessa situação, José Luan propôs aos dois jovens que eles matassem José Willams como forma de cobrança da dívida, em troca do perdão de R$ 500. A dupla concordou e planejou o crime, dirigindo-se até a residência da vítima.

No dia do crime, um dos executores chamou José Willams para lhe pedir um copo de água. Quando a vítima retornou para entregar a água, foi surpreendida com os disparos de arma de fogo. O promotor enfatizou que se tratava de um crime premeditado, cometido por motivo torpe, revelando a frieza dos envolvidos. Além disso, ressaltou que o assassinato foi realizado sem oferecer qualquer chance de defesa à vítima.

Para embasar a condenação, os jurados também consideraram outras provas apresentadas pelo Ministério Público, que argumentou a inconsistência nos depoimentos dos autores material e intelectual do crime. O réu, José Luan de Santana Costa, foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado por motivo torpe e por corrupção de menores.

O veredito do julgamento reforça a importância de se combater o tráfico de drogas e seus desdobramentos criminosos. No caso em questão, a dívida por drogas resultou em um homicídio brutal, que deixou uma família enlutada e uma comunidade abalada. A condenação do mentor do crime serve como um exemplo de que a justiça precisa ser feita e que crimes dessa natureza não serão tolerados.

É fundamental que as autoridades continuem agindo de forma firme e eficiente contra o tráfico de drogas, garantindo a segurança da população e evitando que situações como essa ocorram novamente. A investigação e punição dos envolvidos nesse tipo de crime devem ser prioridades, visando a paz e a tranquilidade de todos.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo