INTERNACIONAL – “Secretário-geral da ONU alerta para o esgotamento do tempo na luta contra a mudança climática devido à ganância dos combustíveis fósseis”

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, fez um alerta contundente durante uma cúpula de líderes climáticos na Assembleia Geral da ONU, afirmando que o tempo está se esgotando para enfrentar a mudança climática. Guterres apontou a “ganância nua e crua” dos interesses dos combustíveis fósseis como um dos principais obstáculos para combater o aquecimento global.

Com a COP28, cúpula anual da ONU sobre o clima, marcada para novembro e dezembro em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, o secretário-geral pediu aos líderes nacionais que intensifiquem os esforços para eliminar gradualmente o uso de combustíveis fósseis. Ele ressaltou que a transição para energias renováveis está acontecendo, mas está muito atrasada em relação ao necessário.

“Muitas das nações mais pobres têm todo o direito de estar com raiva – raiva por estarem sofrendo mais com uma crise climática que elas não causaram, raiva porque o financiamento prometido não foi realizado e raiva porque os custos de empréstimos estão altos”, declarou Guterres.

A esperança do secretário-geral é que a minicúpula de um dia da ONU inspire mais investimentos e ações de países e empresas para alinhar seus planos climáticos com a meta global de atingir emissões líquidas zero até 2050. O presidente do Quênia, William Ruto, foi um dos que se pronunciou na cúpula, pedindo a criação de um imposto universal sobre o comércio de combustíveis fósseis, além de taxas sobre aviação, emissões marítimas e transações financeiras, como forma de arrecadar trilhões de dólares.

A cúpula também contou com a participação de diversas instituições financeiras internacionais, incluindo a seguradora global de viagens Allianz, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional. Também estiveram presentes representantes de Londres e do estado norte-americano da Califórnia.

Um relatório recente da ONU indicou que as promessas atuais de redução de emissões são insuficientes para manter a temperatura média global abaixo de 1,5 grau Celsius em relação à média pré-industrial. Serão necessárias mais de 20 gigatoneladas de reduções adicionais de CO₂ nesta década, além de atingir emissão líquida zero global até 2050, para alcançar as metas estabelecidas.

Guterres encerrou seu discurso destacando a urgência das ações necessárias para enfrentar a mudança climática e reiterou a importância de superar os interesses dos combustíveis fósseis e trabalhar em conjunto para um futuro mais sustentável.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo