INTERNACIONAL – COP30 em Belém (PA) irá priorizar financiamento climático para países em desenvolvimento e participação social, afirma diretora da Fundação Europeia do Clima.

A 30ª Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudanças Climáticas (COP30) já está sendo planejada e promete ser um marco no debate global sobre o financiamento climático para países em desenvolvimento. A cidade de Belém (PA) sediará o evento em novembro de 2025, e a prioridade será discutir a mobilização de recursos financeiros para apoiar a transição dos países em desenvolvimento e vulneráveis para uma economia de baixo carbono, segundo a diretora da Fundação Europeia do Clima, Laurence Tubiana.

Laurence Tubiana, renomada especialista em mudanças climáticas e representante da Fundação Europeia do Clima, está no Brasil para engajar autoridades, representantes da sociedade civil e especialistas no tema. Durante sua visita, ela apresentou detalhes da força-tarefa criada para abordar a necessidade premente de mobilizar recursos para apoiar essa transição. O grupo é composto por entidades como a Fundação Europeia do Clima, os governos da França, Quênia e Barbados, e já conta com o apoio de países como Espanha e Colômbia.

A diretora destaca a importância de buscar novas fontes de financiamento internacional, explorando inclusive novas formas de tributação para lidar com o problema coletivo das mudanças climáticas. Durante sua estadia, ela se reuniu com autoridades brasileiras, incluindo a ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, para discutir a importância da participação da sociedade civil, incluindo comunidades indígenas, nas discussões da COP30.

Laurence Tubiana elogiou o Plano de Transição Ecológica do Brasil, destacando sua abordagem equilibrada de combate às mudanças climáticas, preservação ambiental e desenvolvimento econômico. Além disso, ela ressaltou a necessidade de afastar o setor petroleiro do centro dos debates climáticos, enfatizando a importância de sua contribuição, mas sem monopolizar as discussões.

A agenda de Tubiana também incluiu reuniões com representantes do governo brasileiro e entidades da sociedade civil em Brasília, além de sua participação em eventos como o Fórum Brasileiro de Finanças Climáticas, em São Paulo. Seu histórico como embaixadora da França para Mudanças Climáticas e representante especial para a COP21, onde foi fundamental na articulação do Acordo de Paris, comprova sua expertise e relevância no cenário internacional das mudanças climáticas.

A COP30 em Belém promete ser um evento crucial para avançar no debate sobre as mudanças climáticas e garantir a participação efetiva de países em desenvolvimento e da sociedade civil. A presença de Laurence Tubiana no Brasil é um sinal positivo desse comprometimento global com o tema e a busca por soluções sustentáveis e inclusivas para o futuro do planeta.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo