Exército israelense bombardeia cidades libanesas após explosão na fronteira com tentativa de infiltração


Nesta terça-feira, uma série de bombardeios do exército israelense atingiu áreas próximas a diversas cidades fronteiriças do sul do Líbano. Segundo fontes de segurança libanesas, os ataques ocorreram após uma explosão na cerca de fronteira entre os dois países, conforme relatado por Israel.

De acordo com uma das fontes de segurança, o bombardeio teve como motivação uma “tentativa de infiltração” em Israel. Houve também relatos de tiroteios na fronteira após a tentativa. O canal de televisão Al-Manar, que é vinculado ao grupo Hezbollah libanês, foi responsável por informar sobre os confrontos.

O exército israelense, por sua vez, afirmou que os disparos de artilharia em território libanês foram uma resposta a uma explosão que causou apenas “danos leves” na cerca de fronteira. Em comunicado, o exército declarou que estava respondendo com fogo de artilharia em território libanês.

Os bombardeios israelenses atingiram as cidades de Dhayra e Alma al Shaab, segundo correspondentes da Agence France-Presse (AFP) na região. Além disso, uma posição do exército libanês em Dhayra também foi atingida, conforme revelou uma segunda fonte de segurança que preferiu não se identificar.

Esses episódios são os mais recentes de uma série de incidentes ocorridos na fronteira entre Israel e o Líbano desde que o Hamas iniciou sua ofensiva em território israelense no último sábado. O Hamas e Israel estão trocando fogo há sete dias consecutivos.

No sábado, centenas de combatentes do Hamas invadiram Israel através de Gaza, resultando na morte de mais de 1.300 pessoas, a maioria civis. Em retaliação, Israel lançou ataques aéreos contra alvos do Hamas na Faixa de Gaza, o que resultou em cerca de 1.800 mortes.

Esses conflitos na fronteira entre Israel e o Líbano mostram uma escalada significativa das tensões na região nas últimas semanas. A situação é preocupante, pois o conflito entre o Hamas e Israel já resultou em um grande número de mortes e ações violentas estão se espalhando para além da fronteira. A comunidade internacional precisa agir rapidamente para evitar uma escalada ainda maior do conflito e garantir a segurança das populações envolvidas.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo