ESPORTE – “Fluminense vence Boca Juniores na final e conquista a Copa Libertadores da América após 15 anos de espera”


O Fluminense conquistou, pela primeira vez em sua história, o título da Copa Libertadores da América. Em uma partida eletrizante no Maracanã, neste sábado (4), a equipe carioca derrotou o argentino Boca Juniors por 2 a 1. O gol do título veio no primeiro tempo da prorrogação, marcado por John Kennedy. No tempo regulamentar, o jogo terminou em 1 a 1, com o argentino Germán Cano abrindo o placar para o Fluminense, e o lateral-direito Advíncula empatando na segunda etapa.

Foram 15 anos de espera desde a última vez que o Tricolor disputou uma final de Libertadores. Em 2015, o Fluminense perdeu nos pênaltis para a LDU, do Equador. Mas a história foi diferente neste sábado. Além do título, que garante uma premiação total de quase R$ 95 milhões, o Fluminense assegurou vaga na Libertadores do próximo ano, presença no Mundial de Clubes deste ano e também vaga no Super Mundial de Clubes da FIFA em 2025. Com a conquista de hoje, o Brasil acumula cinco títulos consecutivos na Libertadores. Nas edições anteriores, o Flamengo venceu em 2019 e 2022, enquanto o Palmeiras conquistou as edições de 2020 e 2021.

No primeiro tempo, o Fluminense teve maior posse de bola e trocou mais passes, apesar da defesa bem postada do Boca Juniors. O Tricolor finalizou cinco vezes, com destaque para a cobrança de falta de Marcelo, que Cano cabeceou para a defesa do goleiro Romero. Aos 26 minutos, Cano abriu o placar após tabela com Arias, comemorando seu 13º gol na Libertadores.

No segundo tempo, o Boca Juniors dominou o jogo e dificultou a saída de bola do Fluminense. Aos 10 minutos, Advíncula marcou um belo gol, empatando a partida. Aos 43 minutos, Merentiel quase virou o placar com um chute forte quase do meio de campo. No entanto, a partida foi para a prorrogação.

No tempo extra, o Fluminense partiu para o ataque e John Kennedy, que entrou nos minutos finais do tempo regulamentar, marcou o gol do título. A jogada começou com Diogo Barbosa, que lançou a bola para Keno, que cabeceou para Kennedy marcar. Na comemoração, Kennedy foi festejar com a torcida e acabou sendo expulso pelo árbitro. Pouco antes do fim, Fabra, do Boca Juniors, também foi expulso por dar um tapa no rosto de Nino, capitão do Fluminense.

No segundo tempo da prorrogação, o Boca Juniors pressionou, mas Fábio, goleiro do Fluminense, que completou 100 partidas de Libertadores, foi decisivo. Ele fez defesas importantes, garantindo a vitória e o título inédito para o Fluminense.

A conquista da Copa Libertadores representa um marco histórico para o Fluminense e sua torcida, que esperou 15 anos para voltar a disputar uma final e levantar o troféu. O técnico Fernando Diniz e seus comandados demonstraram garra, determinação e um futebol ofensivo durante toda a competição, conquistando o título de forma merecida. O Fluminense agora escreve seu nome na história do futebol sul-americano e se consagra como uma das grandes equipes do continente.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo