EDUCAÇÃO – Pesquisa revela impacto positivo na remuneração e empregabilidade de egressos da educação técnica de nível médio.

Uma pesquisa realizada por três importantes instituições – o Insper, o Itaú Educação e Trabalho e o Instituto Unibanco – revelou dados surpreendentes sobre a rentabilidade do investimento em educação técnica no Brasil. Segundo o estudo, a cada R$ 1 investido na educação profissional e tecnológica de nível médio, o egresso da formação profissional tem um retorno na própria remuneração superior a R$ 3.

Os resultados da pesquisa analisaram 76 estimativas do impacto da educação técnica, presentes em 16 estudos selecionados. O estudo revelou que os egressos desse nível de educação profissional têm 5,5 pontos percentuais a mais de chances de estar no mercado de trabalho formal em comparação com os trabalhadores sem formação.

Além disso, a pesquisa apontou que a formação profissional de nível médio aumenta em 6,8 pontos percentuais a probabilidade de o indivíduo estar ocupado ou procurando trabalho, quando comparado àqueles que têm somente o ensino médio regular completo. Também foi constatado que a conclusão da educação profissional e tecnológica de nível médio eleva a probabilidade de ocupação em 7,6 pontos percentuais, e a remuneração do trabalho em 18% para o grupo de indivíduos que concluíram apenas a educação básica.

Os dados do estudo revelam que a conclusão de cursos técnicos não apenas aprimora as habilidades individuais, mas também reduz significativamente as chances de os egressos atuarem no segmento informal da economia. Esta constatação enfatiza a importância estratégica de promover e fortalecer programas de educação técnica, não apenas como meio de desenvolvimento pessoal, mas também como um eficaz instrumento na construção de uma força de trabalho cada vez mais qualificada.

Ricardo Paes de Barros, um dos responsáveis pela pesquisa e professor titular do Insper, ressaltou que os profissionais egressos da educação profissional e tecnológica de nível médio recebem remuneração até 12% maior em comparação com aqueles que concluíram somente o ensino médio. Ele ainda destacou a importância da complementaridade curricular, afirmando que o curso técnico precisa ser valorizado e melhor aproveitado pela educação superior.

A superintendente do Itaú Educação e Trabalho, Ana Inoue, também ressaltou a importância da educação profissional e tecnológica (EPT) no desenvolvimento socioeconômico do país. Ela afirmou que o Marco Legal do Ensino Técnico foi aprovado recentemente e projeta a construção de uma política nacional para os próximos dois anos. Inoue enfatizou a necessidade de avançar na elaboração conjunta dessa política, para que a EPT seja colocada em outro patamar, com ampla oferta qualificada para os jovens, garantindo retorno positivo em suas vidas.

Os resultados da pesquisa destacam a importância estratégica da educação técnica como um investimento público rentável, capaz de transformar a vida dos jovens e contribuir significativamente com o desenvolvimento do país.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo