EDUCAÇÃO – OCDE divulga pesquisa sobre pensamento criativo em estudantes ao redor do mundo, com destaque para Singapura no topo do ranking.


A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou um estudo dedicado ao tema “Mentes criativas e escolas criativas” como parte de suas pesquisas no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). A ideia por trás desse estudo é revelar as localidades que se destacam na associação do pensamento criativo aos currículos escolares, visando formar cidadãos capazes de pensar de forma inovadora e produtiva em diferentes contextos de tarefas.

De acordo com a pesquisa, Singapura lidera o ranking de 64 países em termos de pensamento criativo, com um desempenho significativamente acima da média dos países da OCDE. Países como Coreia, Canadá, Austrália e Nova Zelândia também se destacam nesse quesito.

No entanto, no caso do Brasil, o estudo aponta uma posição menos favorável, com um desempenho consideravelmente abaixo da média da OCDE. Segundo Andreas Schleicher, diretor de Educação e Competências da OCDE, o Brasil se encontra em um grupo de países com desempenho semelhante, apresentando uma grande lacuna em termos de pensamento criativo em comparação aos países com melhores resultados.

A pesquisa também evidenciou diferenças de desempenho por gênero e condições socioeconômicas. As garotas mostraram-se mais fortes em pensamento criativo do que os garotos, atribuído, em parte, ao hábito de leitura. Além disso, alunos em melhores condições socioeconômicas obtiveram pontuações mais altas nesse aspecto, destacando a influência do ambiente familiar no desenvolvimento do pensamento criativo.

Por fim, a OCDE observou que a pedagogia adotada nas escolas e a participação dos estudantes em atividades extracurriculares, como arte e teatro, podem influenciar positivamente no desenvolvimento do pensamento criativo. Portanto, investir em ambientes escolares que valorizem a criatividade e incentivem a expressão de ideias originais pode ser crucial para estimular essa habilidade nos estudantes.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo