Edinson Cavani se prepara para o jogo da sua vida na final da Libertadores entre Boca Juniors e Fluminense


O atacante Edinson Cavani, estrela do Boca Juniors, declarou que a final da Libertadores será o jogo mais importante de sua vida. O uruguaio ressaltou a magnitude da partida, que pode garantir o sétimo título ao time argentino, além do estádio lendário onde será disputado e o momento de sua carreira para explicar a grandiosidade do confronto contra o Fluminense, que acontece neste sábado.

“Desde que avançamos para a final, só penso no que está por vir. Por isso, é o jogo da minha vida, por tudo o que implica. São muitos os ingredientes que tornam esse jogo importante. É assim que vamos entrar em campo”, disse Cavani, que, apesar de ter vestido a camisa do Boca por apenas poucos meses, já percebeu a dimensão do clube. “Quando estamos de fora, não imaginamos, mas quando estamos aqui e vivemos o clube, entendemos. Já vivi muitas emoções, parece que estou aqui há muito tempo. Esse é o mundo Boca. Quando todos te dizem isso, você assimila. Esse clube é vivido dessa forma.”

Cavani ficou consternado com as cenas de violência ocorridas no Rio de Janeiro envolvendo torcedores do Fluminense e do Boca Juniors nos últimos dias. Ele espera que a invasão argentina prometida pela torcida do clube seja apenas uma grande festa, com final feliz para o time portenho.

“É uma tristeza. É um momento para que a torcida que está vindo aproveite. Não queremos que isso aconteça novamente. Surgiram rumores sobre o cancelamento do jogo, sobre não ter torcida, sei lá o que. Tem que ser um espetáculo como uma final de Libertadores deve ser, e que seja uma festa amanhã”, pediu o atacante.

Na ausência de Marcos Rojo, suspenso após ter sido expulso na semifinal contra o Palmeiras, Cavani será o capitão da equipe. Com isso, Nicolás Valentini assumirá a posição de titular. Esta será a única mudança em relação ao time titular da partida de volta contra o Palmeiras.

O técnico Jorge Almirón deverá escalar a equipe com: Sergio Romero; Luís Advíncula, Nicolás Figal, Nicolás Valentini e Frank Fabra; Cristian Medina, Ezequiel Fernández, Pol Fernández e Valentín Barco; Miguel Merentiel e Edinson Cavani.

Enquanto o técnico Fluzão, Fernando Diniz, faz mistério sobre a escalação, Almirón não teme anunciar o time antecipadamente. Ele sabe como o Fluminense joga e não acredita em mudanças no estilo de jogo do Tricolor.

“As duas equipes buscarão o jogo. Será uma final muito intensa. Estou certo de que a equipe está bem preparada, tranquila e animada. Estamos completos, sem lesões, e todos sabem bem o que devem fazer. Depois, é o futebol em campo”, analisou o técnico.

É esperado que a final da Copa Libertadores, entre Boca Juniors e Fluminense, seja um espetáculo emocionante, com dois clubes tradicionais do futebol sul-americano em busca da glória continental. Resta aos torcedores aguardarem ansiosos pelo desfecho dessa partida histórica.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo