ECONOMIA – Presidente do BNDES afirma que Brasil deve seguir exemplo dos EUA e Europa na reindustrialização para favorecer a transição energética.

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, defendeu que o Brasil siga o exemplo dos Estados Unidos e da Europa no que diz respeito aos investimentos e financiamentos públicos voltados para a reindustrialização e transição energética. Essa afirmação foi feita por Mercadante durante uma audiência na Comissão de Meio Ambiente do Senado.

Segundo o presidente do BNDES, existem atualmente 500 bancos públicos ao redor do mundo, com um patrimônio total de US$ 18,7 trilhões, que correspondem a 10% dos investimentos globais. Ele destacou que os norte-americanos estão investindo US$ 383 bilhões na transição energética, além de outros US$ 280 bilhões em microprocessadores para atrair indústrias. Já na Europa, são 806 bilhões de euros sendo injetados na economia.

Mercadante ressaltou que há uma redistribuição da cadeia global de valor em andamento e os Estados Unidos estão se reindustrializando para cuidar de seus próprios interesses nesse novo cenário. Ele apontou que o Ocidente propagou a ideia de um Estado mínimo e não incentivou instrumentos de investimento público e banco público para os países em desenvolvimento, mas ressaltou que seguir essa cartilha resultaria em uma taxa de crescimento baixa para o Brasil.

Segundo o presidente do BNDES, é por meio do banco que o Brasil terá condições favoráveis de competição nesse contexto de reindustrialização. Ele afirmou que o país precisa do BNDES para ter acesso a crédito público e parcerias público-privadas, além de estruturar projetos no mercado de capitais.

Mercadante também destacou que o Brasil possui características favoráveis, como ser referência de estabilidade e paz mesmo em tempos de guerra. Ele ressaltou que isso pode atrair investimentos para o país.

Em relação à Amazônia, Mercadante pontuou que a demanda de crédito na região cresceu 204% em comparação com a média nacional. O BNDES está criando linhas específicas de crédito para micro e pequenas empresas e, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), lançou uma linha de R$ 4,5 bilhões em investimentos para a região. O objetivo é chegar a R$ 100 bilhões por meio da Coalizão Verde, que envolve também os outros países amazônicos.

A Coalizão Verde é um mecanismo financeiro que busca promover o desenvolvimento sustentável na região amazônica. Foi anunciada em agosto durante a Declaração de Belém, assinada pelos presidentes dos oito países amazônicos durante a Cúpula da Amazônia.

Essas medidas, segundo Mercadante, representam uma oportunidade única para o Brasil, que deve aproveitar essa janela de oportunidades para impulsionar seu crescimento econômico e promover a transição energética.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo