Duda e Ana Patrícia, líderes do ranking mundial, enfrentam dupla de El Salvador na estreia do Brasil no vôlei de praia dos Jogos Pan-americanos.


A seleção brasileira de vôlei de praia estreia neste sábado nos Jogos Pan-americanos de Santiago com grandes expectativas. A dupla sensação Duda e Ana Patrícia, líderes do ranking mundial, será a representante do Brasil na competição. Elas enfrentarão a dupla Molina e Soler, de El Salvador, às 16h30 (de Brasília) no Parque Peñalolen.

O Brasil é o principal medalhista da modalidade nos Jogos Pan-americanos, acumulando cinco ouros, três pratas e quatro bronzes desde que o vôlei de praia foi incluído no programa em 1999. No entanto, desde a edição de 2011, o Brasil não conquista o lugar mais alto do pódio. Os últimos campeões foram Juliana Silva e Larissa França, e Alison Cerutti e Emanuel Rego.

No entanto, a esperança de retomada do título é grande. Duda e Ana Patrícia dificilmente ficam fora do pódio. Neste ano, elas venceram quatro etapas do Circuito Mundial, em cinco finais disputadas. Na última etapa, em Paris, elas venceram os seis jogos, perdendo apenas um set. Com esses resultados, elas lideram a corrida pelo título internacional e são favoritas para confirmar o bicampeonato.

Além disso, a dupla acumula outros títulos, como a prata no Campeonato Mundial, disputado recentemente no México, e oito títulos no Circuito Brasileiro. Elas já são campeãs nacionais por antecipação. Todo esse retrospecto aumenta as expectativas para uma grande atuação nos Jogos Pan-americanos.

Duda e Ana Patrícia formaram a dupla após os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 e representam o Praia Clube. Duda estava em uma parceria com Ágatha, enquanto Ana Patrícia foi quinta colocada em Tóquio ao lado de Rebecca. A união das duas tem dado certo, e elas esperam alcançar resultados ainda melhores.

A amizade entre Duda e Ana Patrícia é antiga, e elas já estiveram juntas em outras conquistas, como os Jogos Olímpicos da Juventude de 2014, onde foram campeãs, e o bicampeonato Mundial sub-21 em 2016 e 2017. A conexão entre elas é marcante, e essa relação de amizade dentro e fora da quadra tem contribuído para o sucesso da dupla.

O técnico Lucas Palermo acompanha o desenvolvimento das duas desde os Jogos da Juventude. Ele destaca o amadurecimento de Duda e Ana Patrícia ao tomarem caminhos distintos e elogia o trabalho realizado por diversos profissionais que contribuíram para o crescimento das jogadoras.

Apesar de todas as expectativas e do bom desempenho recente, o técnico ressalta que não se pode falar em favoritismo antes de entrar em quadra. Existem outras duplas de alto nível competindo e qualquer resultado pode acontecer. Duda e Ana Patrícia estão focadas e querem atingir sempre o melhor resultado, buscando se tornarem campeãs olímpicas no futuro.

No entanto, a dupla não está pensando apenas nas Olimpíadas de Paris em 2024. Elas querem evitar a ansiedade de contar pontos na corrida para se classificar e acreditam que ainda têm muito tempo pela frente. O importante agora é viver a experiência do Pan-americano e buscar uma medalha para o Brasil.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo