DIREITOS HUMANOS – Governador do Rio Grande do Sul abre sindicância na Brigada Militar sobre episódio denunciado como racismo em abordagem policial.


O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, anunciou a abertura de uma sindicância na Brigada Militar do estado após denúncias de racismo. De acordo com relatos de testemunhas nas redes sociais, policiais da Brigada Militar prenderam um homem negro de 40 anos, que havia chamado a própria brigada após sofrer ameaças de homicídio por um homem branco armado com uma faca.

Em nota divulgada nas redes sociais, o governador afirmou que a sindicância tem como objetivo ouvir imediatamente as testemunhas e apurar as circunstâncias do incidente com total celeridade. O deputado estadual Matheus Gomes compartilhou um vídeo da detenção do homem negro em seu perfil no Twitter. Segundo o parlamentar, o homem foi agredido pelo homem branco e, ao denunciar o caso para os policiais, acabou sendo preso por “resistência”. Gomes classificou o episódio como um absurdo e apontou para a presença do racismo na Brigada Militar.

Até o momento, nem o perfil oficial nem o site da corporação policial trouxeram qualquer informação sobre o incidente. No entanto, é importante ressaltar que no último dia 8, os alunos-oficiais da Brigada Militar participaram de uma palestra com o tema “Racismo Estrutural e a Importância do Letramento Racial para as Instituições de Segurança Pública”.

A jornalista Jeanice Dias Ramos, do Núcleo de Jornalistas Afro-brasileiros do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, destaca que a atuação da Brigada Militar é marcada pela truculência e acusação contra pessoas negras. Segundo ela, a corporação age de forma recorrente e contínua, criando um cenário em que o negro sempre é tratado como réu. Para Ramos, existe uma política interna na Brigada Militar que coloca o negro como suspeito por padrão, o que leva pais e mães a orientar seus filhos a saírem sempre com documentos que comprovem sua idoneidade.

A abertura da sindicância por parte do governador Eduardo Leite é um passo importante para esclarecer o incidente e identificar possíveis práticas racistas dentro da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. A investigação deve trazer respostas sobre o tratamento dispensado a pessoas negras dentro da corporação policial e ajudar a combater a discriminação racial.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo