Cinco crianças são internadas no HGE por intoxicação e policiais são acionados para investigar o caso


Na última quinta-feira (14), o Hospital Geral do Estado (HGE), localizado em Maceió, recebeu a entrada de cinco crianças com quadro de intoxicação exógena. Diante desse grave incidente, policiais civis foram acionados para ouvir familiares e testemunhas e dar andamento ao inquérito policial.

De acordo com informações fornecidas pelo próprio HGE, as crianças internadas são cinco, com idades entre 8 e 13 anos. Atualmente, o quadro de saúde de todas elas é considerado estável, com exceção de uma adolescente de 13 anos, que já recebeu alta médica.

Desde que deram entrada no hospital, os menores estão sendo cuidados por uma equipe multidisciplinar da Emergência, que tem realizado exames e administrado as medicações necessárias para o tratamento.

A delegada responsável pelo caso, Maria Angelita, tem acompanhado de perto todas as investigações e está empenhada em esclarecer os detalhes desse episódio preocupante.

A nota divulgada pelo Hospital Geral do Estado informa que as cinco crianças, identificadas como W. I. S. C., de 8 anos; C. E. C. S., de 10 anos; M. L. A. S., de 12 anos; e L. W. S., de 13 anos, são provenientes da cidade de Pilar. Todas elas estão sendo devidamente atendidas e recebendo os cuidados necessários para a estabilização de seu quadro de saúde. Apenas D. H. F., de 13 anos, já foi liberada pelos médicos, após avaliação e tratamento adequados.

A equipe multidisciplinar da Emergência tem sido incansável no acompanhamento dessas crianças, realizando exames minuciosos e administrando medicações específicas para cada caso.

As investigações sobre as causas da intoxicação seguem em andamento, e é fundamental que os familiares e testemunhas envolvidas colaborem com a polícia, fornecendo todas as informações necessárias para a elucidação dos fatos.

Diante desse acontecimento lamentável, a sociedade espera que as autoridades responsáveis atuem de forma diligente para garantir a segurança e o bem-estar das crianças envolvidas, além de adotar medidas para evitar que episódios semelhantes ocorram no futuro. A população também aguarda por punições adequadas, caso seja constatada alguma negligência ou crime por parte de terceiros.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo