CAMARA DOS DEPUTADOS – Deputado Chiquinho Brazão pode ter análise de prisão adiada por até duas sessões na CCJ da Câmara dos Deputados


A presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, deputada Caroline de Toni (PL-SC), anunciou que a análise do ofício do Supremo Tribunal Federal (STF) comunicando a prisão do deputado Chiquinho Brazão (RJ) seguirá estritamente o Regimento Interno da Casa. A decisão foi tomada em acordo com os coordenadores de bancada no colegiado.

Seguindo o protocolo estabelecido, a deputada Caroline de Toni explicou que o trâmite na CCJ seguirá as diretrizes do regimento interno, permitindo ao deputado ou seu representante legal se manifestar por até 20 minutos após a leitura do parecer e a réplica do relator. Além disso, o Regimento Interno garante aos parlamentares o direito de pedir vista do parecer.

Como resultado, vários deputados solicitaram vista do processo, o que pode adiar a análise da prisão de Chiquinho Brazão por, no mínimo, duas sessões do Plenário. Isso significa que a decisão final sobre o caso pode ser postergada para o dia 9 de abril, uma vez que na próxima semana não estão previstas sessões no Plenário da Câmara devido à janela partidária, período em que os parlamentares têm a permissão de trocar de partido.

A situação continua sendo acompanhada de perto pelos membros da CCJ e da imprensa, que aguardam mais desdobramentos sobre o caso. Qualquer nova informação ou desenvolvimento será reportado assim que estiver disponível.

A reportagem deste acontecimento é de responsabilidade de Murilo Souza, com edição a cargo de Natalia Doederlein. Acompanhe os próximos capítulos desta história para mais detalhes e análises sobre a prisão do deputado Chiquinho Brazão e seus desdobramentos na Câmara dos Deputados.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo