Bolsonarista acampada em frente ao QG do Exército depõe na CPI dos Atos Golpistas e tem imagens contestadas


Uma das lideranças do acampamento em frente ao Quartel do Exército em Brasília, Ana Priscila Azevedo, depôs hoje na CPI dos Atos Golpistas da Câmara do Distrito Federal. A sessão começou com o presidente da Comissão, o deputado Chico Vigilante, questionando a presença e atuação de Ana Priscila nos ataques às sedes dos Três Poderes ocorridos em 8 de janeiro. Apesar de negar a invasão dos prédios públicos, Vigilante exibiu imagens que contradizem a afirmação da depoente.

Nas imagens, Ana Priscila aparece comemorando a invasão em Brasília, xingando ministros do Supremo e subindo a rampa do Congresso. Após a exibição dos vídeos, o deputado questionou novamente Ana Priscila, que confirmou ser ela a pessoa presente nas imagens. Vigilante ironizou a depoente, perguntando se agora ela conseguia entender o motivo de sua prisão.

Ana Priscila Azevedo está detida desde 11 de janeiro por participação nos atos do dia 8 de janeiro. Ela foi convocada como testemunha na comissão distrital após ser apontada em investigações como uma das organizadoras dos ataques. Além disso, a deputada Paula Belmonte apresentou um requerimento que menciona vídeos em que Ana Priscila celebra a depredação dos prédios dos Três Poderes e uma live em que a depoente antecipa os acontecimentos do dia 8 de janeiro.

Segundo relatórios sigilosos da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Ana Priscila é apontada como uma das principais “incitadoras” dos atos. Os documentos indicam que por trás dos ataques havia um grupo formado por produtores rurais e um núcleo de “incitadores” da depredação de prédios públicos. Ana Priscila também é citada como parte de um grupo extremista no Telegram que convocava membros para irem a Brasília.

Ana Priscila foi presa pela Polícia Federal em 10 de janeiro em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal, e está detida na Penitenciária Feminina do DF. Durante a invasão, a depoente se filmou rindo e brincando com um companheiro sobre um carro da polícia que estava sendo jogado em um dos espelhos d’água do Congresso Nacional.

Esses eventos fazem parte da investigação em andamento sobre os atos golpistas ocorridos em Brasília no início deste ano. A CPI tem o objetivo de apurar as responsabilidades e os envolvidos nessas ações que colocaram em risco a democracia brasileira.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo