Bairros de Maceió em alerta: Plano de contingência é executado para evitar desabamento de mina

O risco de desabamento de uma mina no Mutange, em Maceió, tem preocupado as autoridades municipais e a população. A mina nº 18, localizada próximo ao antigo CT do CSA e próximo à lagoa Mundaú, está desocupada e sendo monitorada 24 horas por dia pela Defesa Civil.

A área do entorno da mina já não possui mais moradores, e está incluída na área 00 do Mapa de Ações de Linhas Prioritárias versão 4, que indicava a realocação da população. A Defesa Civil de Maceió já determinou a saída de 27 famílias da área de risco 00, e quase todas já foram retiradas do local.

Como medida preventiva, a Prefeitura está trabalhando na retirada voluntária de moradores da região ribeirinha próxima à mina, que apresenta risco de colapso, em parte do Bom Parto e Flexal. As famílias retiradas dessas áreas podem ser acolhidas na Casa de Passagem Familiar (Jaraguá) e em diversas escolas da região, que contam com colchões, alimentação, kits de higiene e limpeza, segurança e assistência de equipes da Secretaria de Desenvolvimento Social.

A Braskem está cuidando das tratativas relacionadas às famílias que ficam na área 00 do Mapa de Ações de Linhas Prioritárias versão 4. Além disso, o novo Mapa de Ações de Linhas Prioritárias (versão 5) aponta novas áreas de monitoramento nos bairros do Bom Parto, Farol e Bebedouro, e áreas que antes eram apenas de monitoramento no Bom Parto, passaram a ser de realocação.

Até o momento, três minas já foram preenchidas completamente, e seis têm previsão para preenchimento total até 2025. Com relação à mina nº18, que está sob risco de colapso, a Defesa Civil de Maceió detectou o aumento do afundamento e afirmou que a sonda da mina não foi sugada pelo solo.

Para quem precisar de ajuda ou informações, a Defesa Civil de Maceió disponibiliza o número 199, que funciona 24 horas por dia. Além disso, a Prefeitura oferece informações oficiais por meio do site oficial, Instagram e um canal no Whatsapp.

Com relação à possibilidade de colapso de outras minas na região, as autoridades afirmam que, no momento, essa possibilidade é remota. No entanto, há um plano de contingência dos bairros afetados pelo afundamento do solo, que foi produzido pelo gabinete de crise montado especificamente para este caso, envolvendo várias secretarias e órgãos.

Por fim, as autoridades afirmam que não há como prever o tamanho da cratera que se formará com o colapso da mina nº18, que antes do colapso possuía 500 mil metros cúbicos. O alerta é para que a população mantenha-se informada por meio dos canais oficiais da Prefeitura e siga as orientações das autoridades para garantir a segurança de todos os moradores das áreas afetadas pelo risco de desabamento da mina no Mutange.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!




Botão Voltar ao topo