Assembleia Legislativa debate estratégias para combater a violência contra criança e adolescente durante Maio Laranja.


Na manhã desta segunda-feira, 13 de maio, a Assembleia Legislativa de Alagoas reuniu diversos representantes do Poder Judiciário, Ministério Público Estadual, Governo do Estado, Secretaria de Segurança Pública e Conselhos Tutelares para discutir em uma sessão especial o tema “Maio Laranja – Combate à violência contra criança e adolescente”. A iniciativa partiu do deputado Lelo Maia, do partido União Brasil, com o objetivo de fomentar debates sobre as principais ações realizadas no combate à violência contra crianças e adolescentes no estado.

Durante a abertura da plenária, o deputado Lelo Maia destacou a gravidade do problema, apontando que a cada hora três crianças são abusadas no Brasil, com 51% delas tendo entre um e cinco anos de idade. Ele ressaltou a dificuldade em combater esse tipo de crime, especialmente quando 71% dos casos acontecem no ambiente familiar e 83% são praticados por conhecidos das vítimas.

Ao longo de seu mandato de dois anos, Lelo Maia apresentou diversas indicações e projetos de lei visando a proteção das crianças e adolescentes, como a solicitação da implantação da Patrulha de Vulneráveis denominada Henry Borel e a construção da 2ª Delegacia de Crimes Contra Crianças e Adolescentes em uma região de alta incidência de violência em Maceió. Além disso, o deputado propôs um projeto de lei para garantir atendimento 24 horas nessas delegacias especializadas.

A juíza Fátima Pirauá, presente na sessão especial, enfatizou a importância do combate à violência sexual contra crianças e adolescentes, classificando-a como a mais devastadora e cruel dentre todas as violações de direitos cometidas contra os menores. Ela ressaltou a necessidade de prevenção para evitar que tais abusos ocorram.

Pirauá ainda destacou o papel crucial da escola na detecção de casos de violência infantil, afirmando que cuidar de uma criança é cuidar de toda a humanidade. Portanto, o combate ao abuso sexual de crianças e adolescentes é considerado imprescindível e requer a mobilização de diferentes setores da sociedade para proteger os mais vulneráveis.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo