ALAGOAS – Governo de Alagoas promove busca ativa por dependentes químicos e assistência a moradores em situação de rua.


Na noite desta quarta-feira (30), a Secretaria de Estado de Prevenção à Violência (Seprev) realizou uma ação integrada de busca ativa por dependentes químicos e atendimento a pessoas em situação de rua na região da Pajuçara, em Maceió. A operação mobilizou todas as superintendências da pasta e resultou em diversos atendimentos psicossociais.

O bairro da Pajuçara foi escolhido estrategicamente devido à grande concentração de dependentes químicos e pessoas em situação de rua e vulnerabilidade social. Essa operação acontece quinzenalmente, não só na Pajuçara, mas em toda a capital alagoana, de acordo com o superintendente do programa Ronda no Bairro, coronel Cícero Silva.

Segundo o coronel, foi observado um aumento na presença de pessoas em situação de rua e dependentes químicos na região da Pajuçara. Diante dessa situação, a Seprev mobilizou todas as superintendências para identificar essas pessoas, entender suas necessidades e agir de acordo com o necessário.

Uma das superintendentes envolvidas na ação foi Lideilma Alves, superintendente de Políticas sobre Drogas da Seprev. Ela explicou que o planejamento anual da Seprev tem intensificado as ações itinerantes junto à população em situação de rua. Além disso, o cronograma também contempla abordagens a dependentes químicos para oferecer tratamento gratuito disponível para homens e mulheres em todo o estado de Alagoas.

Durante a ação, a equipe da Casa de Direitos de Maceió também esteve presente, oferecendo a emissão gratuita de documentos essenciais e outros serviços, garantindo o acesso a direitos fundamentais e a participação ativa na sociedade para o público em situação de rua.

Essa ação integrada da Seprev é de extrema importância para garantir a segurança e os direitos humanos dessas pessoas em situação de vulnerabilidade. O trabalho realizado pelas superintendências da pasta mostra o comprometimento do estado de Alagoas em ajudar aqueles que mais precisam, oferecendo atendimento psicossocial e, quando necessário, encaminhamento para tratamento de dependência química.

Essa iniciativa é um exemplo de como a segurança pública pode estar aliada à proteção dos direitos humanos, oferecendo não apenas ações repressivas, mas também um olhar atento às necessidades da população em situação de rua e dos dependentes químicos. A busca ativa por essas pessoas e o atendimento psicossocial são passos importantes para promover a reinserção social e a recuperação desses indivíduos.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo