Organização Future Of Life pede regulação da inteligência artificial e cobra respostas de empresas líderes no setor.


A Future Of Life (FLI), organização que defende uma postura cautelosa em relação ao desenvolvimento da inteligência artificial (IA), divulgou um comunicado pedindo a regulação da tecnologia e cobrando respostas das empresas líderes nessa corrida tecnológica. O manifesto, assinado por personalidades como Elon Musk, Yuval Noah Harari e Steve Wozniak, completará seis meses em breve.

A carta, que contou com a assinatura de mais de mil especialistas da área, solicitava um prazo de seis meses para estabelecer sistemas de segurança, novas autoridades reguladoras e vigilância de sistemas de IA. Além disso, pedia por técnicas que ajudassem a distinguir entre o real e o artificial, e instituições capazes de enfrentar as “perturbações econômicas e políticas dramáticas” que a IA poderia causar.

Desde a divulgação da carta, em março, o FLI destaca que ocorreram diversas mudanças no mundo do desenvolvimento da IA. Durante o primeiro semestre, líderes participaram de discussões sobre a tecnologia no Senado americano, e a União Europeia também iniciou discussões sobre a regulação da IA no continente.

Na última semana, ocorreu o A.I. Insight Forum nos Estados Unidos, um encontro em que líderes como Elon Musk, Mark Zuckerberg, Sundar Pichai, Bill Gates, Satya Nadella e Jensen Huang discutiram como a tecnologia poderia avançar no futuro próximo.

Agora, seis meses após a divulgação da carta, o FLI deseja que as discussões sobre a IA abordem perguntas que refletem o futuro da tecnologia e seu impacto na vida humana. Algumas das perguntas incluem: “Os sistemas que vocês estão construindo podem destruir a civilização?” e “seus sistemas podem matar ou machucar pessoas?”. A instituição espera que empresas como Google, Microsoft, Meta e OpenAI respondam a essas questões.

“A abordagem dos riscos de segurança da IA avançada deve ser um esforço global”, afirmou Max Tegmark, presidente da FLI. Ele destacou que a corrida armamentista em curso pode levar a um desastre global e impedir a concretização de futuros incríveis possibilitados pela IA. Tegmark também ressaltou que uma coordenação eficaz exigirá a participação significativa de todos.

A FLI considera que os avanços nas discussões são apenas o começo de um caminho para evitar riscos. Segundo a organização, a carta divulgada no início do ano não foi apenas um aviso, mas também uma espécie de cartilha com recomendações, como exigir o registro de grandes acúmulos de recursos computacionais, estabelecer um processo rigoroso de auditoria de riscos e garantir que os sistemas sejam seguros, protegidos e éticos.

As discussões sobre a regulação da IA estão ganhando cada vez mais relevância e é fundamental que empresas e governos se envolvam nesse debate para garantir que a tecnologia seja desenvolvida de maneira segura e responsável, visando o benefício da sociedade como um todo. Um esforço conjunto e global se faz necessário para evitar possíveis consequências negativas e aproveitar os incríveis avanços que a IA pode proporcionar.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo