Acusados de matar motorista de aplicativo e ocultar o corpo são condenados pela Justiça 


Dois homens acusados de matar e ocultar o corpo do motorista de aplicativo Rayniery Torres Bianchi foram condenados pela Justiça de Alagoas nessa segunda-feira (20). O homicídio aconteceu no dia 27 de junho de 2019, na cidade de Maceió. A dupla foi localizada através de uma investigação da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) em conjunto com a Divisão Especial de Investigação e Capturas (DEIC).

A vítima, que tinha 35 anos na época, desapareceu às 17h quando foi fazer uma corrida do Conjunto Santa Maria até o bairro de São Jorge. Nas investigações, a Polícia Civil (PC) constatou que os suspeitos passaram dois dias planejando o assassinato e que a motivação era ciúmes. 

Já que Ewerton do Nascimento Marques, um dos suspeitos, acreditava que Rayniery estava paquerando a sua namorada, que em 2019 era menor de idade. Ele, juntamente com Luan Vitor Bastos da Silva, matou o motorista com um golpe popularmente conhecido como garrote, que consiste basicamente em estrangular a vítima. Eles foram presos dias depois do crime. 

As Sentenças

Ewerton do Nascimento foi condenado a 19 anos, seis meses e nove dias de prisão. O tempo deve ser cumprido em regime fechado e além disso, ele também foi sentenciado a pagar uma multa, correspondente a 122 dias, no valor de 1/30 do salário-mínimo vigente no dia em que o assassinato foi registrado. 

Se tratando Luan Vitor Bastos, a pena foi de 18 anos, seis meses e nove dias de reclusão. Que também deve ser cumprida em regime fechado, além do pagamento da multa de 100 dias de 1/30 do salário-mínimo.

Os dois foram condenados por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e homicídio qualificado. A sentença foi proferida pela juíza Laila Kerckhoff dos Santos, do 2º Tribunal do Júri desta Capital. Ewerton também  foi condenado por corromper ou facilitar a corrupção de menores, já que na época do crime, Luan era adolescente.

Jornal Rede Repórter - Click e confira!



Botão Voltar ao topo